Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/123456789/847
Título: A práxis do viver como epistemologia : o saber sentido da/na escola como forma de emancipação da condição humana no viver na terra
Autor(es): Vieira, Cláudia Moraes da Costa
Orientador(a): Pato, Claudia Márcia Lyra
Palavras-chave: Estudantes;Catadores de materiais recicláveis;Ecologia humana;Educação ambiental
Data do documento: Dec-2016
Data de defesa: Feb-2016
Editor: Universidade de Brasília
Resumo: Estudos têm demonstrado a ausência da instituição escolar na trajetória de vida de grupos empobrecidos como o dos catadores de material reciclável. O entrelaçamento de vida pessoal, social e planetária na perspectiva da educação ambiental e ecologia humana podem contribuir para reflexão crítica sobre modos de ser e habitar o mundo nos diversos contextos. O objetivo deste trabalho foi compreender as trajetórias de vida e os processos escolares de estudantes filhos de catadores de material reciclável de uma escola pública do Distrito Federal-DF. Propôs-se o método autoecobiográfico, centrado em oficinas, observação participante e diário de campo, baseando-se na fenomenologia e na hermenêutica para as análises do processo. Participaram 65 estudantes do 4º ano do ensino fundamental com média de idade de 10,75 anos (35 meninas; 30 meninos), sendo 36 residentes na ocupação Santa Luzia e 29 na Estrutural. Pode-se inferir que a sobrevivência e a vivência no Lixão apontam para a degradação humana, socioambiental e do trabalho, ao tempo que assinalam a complexidade do encontro entre precariedade e criatividade. A família é o território das relações afetivas onde trabalho e vida se entrelaçam e define papéis e estratégias de sobrevivência. Já a escola emerge como território de contradição, contrastando as boas lembranças da escola infantil com a percepção de exclusão na escola do presente. Há uma positividade no olhar que supera a lente do cotidiano, revelando o encontro entre pessoas e o verde do entorno do espaço/tempo escolar. No pertencimento ao lugar, em que símbolos, relações e histórias se instituem como elementos fundantes para autobiografias e para a biografia coletiva, lugar e pessoas se constituem mutuamente, revelando percepções ambientais de cuidado, conservação e religação. Sentidos e valores atribuídos à própria realidade contribuem para um olhar positivo e de busca constante por transformação, assim como para formação da identidade de grupo no espaço/tempo da escola. Destaca-se, portanto, a importância da escuta desses estudantes pela escola para a constituição de utopias baseadas em superação, autoeducação, autoconsciência e autonomia como um modo de reconectar a educação escolar à vida. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT Studies have shown the absence of the school in the trajectory of life of impoverished groups like the waste pickers. The interaction between of personal, social and planetary life from the perspective of environmental education and human ecology can contribute to critical reflection on ways of being and inhabiting the world in different contexts. The objective of this study was to understand the life trajectories and school processes of students children of waste pickers in a public school in the Distrito Federal-DF. It was proposed the autoecobiographical method, centered on workshops, participant observation and field diary, based on phenomenology and hermeneutics for the analysis process. 65 students participated in the 4th year of elementary school with a mean age of 10.75 years (35 girls, 30 boys) and 36 residents in occupation Santa Luzia and 29 in Structural. It can be inferred that the survival and living in Lixão point to human degradation, environmental and labor at the time indicate the complexity of the encounter between precariousness and creativity. The family is the territory of affective relationships where work and life intertwine and defines roles and survival strategies. Already the school emerges as a contradiction of territory, contrasting the good memories of childhood school to the exclusion of perception in present school. There is a positive look in overcoming the everyday lens, revealing the encounter between people and the surrounding green space / school time. In belonging to the place, where symbols, relationships and stories are instituted as foundational elements for autobiographies and collective biography, place and people are mutually revealing environmental perceptions of care, conservation and reconnection. Meanings and values attributed to reality itself contribute to a positive look and constant search for transformation, as well as for group identity formation in space / school time. It is noteworthy, therefore, the importance of listening to these students by the school for the establishment of utopias based on resilience, self-education, self-awareness and autonomy as a way to reconnect to school education to life.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/847
Etapa/Modalidade: Ensino Fundamental Anos Iniciais
Appears in Collections:03.03.01 Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_ClaudiaMoraesdaCosta.pdfVIEIRA, Cláudia Moraes da Costa. A práxis do viver como epistemologia: o saber sentido da/na escola como forma de emancipação da condição humana no viver na terra. 2016. 256 f., il. Tese (Doutorado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.3,38 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.